A diferença entre “desertos” e “desertos criados” - Blog do Mosqueteiro Verde

A diferença entre “desertos” e “desertos criados”

As pessoas tendem a achar que todos os desertos são mais ou menos a mesma coisa. Mas há grandes diferenças entre eles. Alguns desertos — por exemplo na Somália — parecem secos, mas não são. Eles recebem um monte de chuva — até 1.000 mm — só que num período muito curto. Outros desertos — como no norte do Chile — nunca têm chuva. Alguns desertos têm temperaturas que nunca baixam de 0⁰C — por exemplo, no Oriente Médio — outros — como o Deserto Los Monegros em Zaragoza, na Espanha — podem chegar a +45⁰C no verão, mas no inverno a temperatura à noite cai para -15⁰C!

A maior diferença entre os desertos é, na verdade, a sua origem. Uma parte dos desertos têm uma causa natural. A maior parte dos desertos, dois bilhões de hectares, no entanto, têm uma causa artificial.

Durante os últimos 500 anos a humanidade desmatou — e ainda está desmatando — numa escala inimaginável. Países inteiros foram desmatados em uma geração. A humanidade foi e é capaz de transformar florestas virgens em desertos artificiais dentro de 50 anos. Isto aconteceu nesta escala na Argentina, México, EUA, África do Sul, etc. e está ocorrendo hoje na totalidade de Bornéu, Brasil , África Central, Canadá e indonésia.

Todas essas áreas outrora verdes, foram desmatadas e vez após vez, caprinos, ovinos e outros herbívoros impediram o desenvolvimento de mudas. O sol tomou conta da camada superficial do solo, ressecou-a e a erosão iniciou. Sementes não conseguiram mais germinar e um deserto estava "surgido".

Será que “terra agrícola degradada” seja uma descrição melhor que “deserto criado”?

Um bom exemplo é a California: há apenas 100 anos era o jardim mais bonito dos EUA. Hoje é a mais bela área agrícola degradada dos EUA. A seca na California, e em muitas outras áreas agrícolas degradadas, vai passar de cíclica para estrutural. Todas as áreas agrícolas degradadas passaram por fases semelhantes à que a California está passando hoje.

O que acontece hoje em São Paulo — Brasil — outrora com uma precipitação amazônica de mais de 2.000 mm por ano — é outro bom exemplo do que experienciamos hoje. O Mar de Aral e o Lago Chade são outros grandes (!) exemplos de problemas causados por desmatamento.

Se nada mudar, a humanidade vai continuar até não sobrar mais florestas virgens. Mas há um ponto muito positivo aqui: podemos ter esperança! Aquelas áreas agrícolas degradadas são bem menos quentes do que imaginamos, o que torna bem fácil replantá-las com árvores.

Em geral, na maioria dos lugares no mundo, só é realmente quente durante seis meses por ano — 180 dias — e mesmo assim, apenas entre 10 e 17 horas. No total, só é realmente quente durante 1.260 das 6.800 horas anuais. Portanto, em apenas cerca de 20% do tempo as temperaturas são verdadeiramente quentes nas terras agrícolas degradadas e, em 80% do tempo, a temperatura é em geral bem confortável.

A temperatura não é um problema para as árvores nas áreas agrícolas degradadas. As árvores resistem facilmente os 20% de período quente e desfrutam os 80% do tempo com temperaturas geralmente moderadas.
Em geral, as áreas agrícolas degradadas também têm bastante precipitação. Não é a quantidade de chuva que é o problema. O problema é o pico da precipitação: o período de seca é longo demais para as sementes germinarem e as raízes se aprofundarem o suficiente.

Este é o problema que analisei e resolvi com a Tecnologia Groasis: ajudar a planta a estender suas raízes além de 3 metros de profundidade no primeiro ano, até que ela atinja a umidade para crescer por si. Se isto for alcançado, as plantas facilmente sobrevivem, como antes o faziam aqui.

Usualmente dou este exemplo: “se árvores um dia cresciam aqui, podem voltar a crescer. Se a área foi pequena o suficiente para cortar, com certeza é pequena o suficiente para replantar”.

Portanto, com este blog espero inspirar você a iniciar uma jornada junto comigo para reflorestar todas as áreas agrícolas degradadas da Mãe Terra. Compartilhe da minha esperança, compartilhe este blog, seja um Green Musketeer e plante uma árvore por ano!

Pieter Hoff,
Mosqueteiros Verdes

Por desertos feitas pelo homem são diferentes desertos naturais. Temos de contrariar esta plantando árvores!